Espadachim Leão de Harr

From Wiki Arien
Jump to: navigation, search

Espadachim Leão de Harr

Pré-requisitos Gerais: Especialização (espada de uma mão), Velocidade Sobrenatural. Nenhuma das técnicas funciona caso o personagem esteja acima do limite de carga, porte uma armadura ou arma de peso acima de leve ou uma arma de duas mãos ou escudos.


  • Estado: Leão de Harr

Pré-requisito: Ambidestria, Aparar, Velocidade Sobrenatural II. Descrição: nesse estado o personagem fica na lateral para com seu oponente e empunha sua arma com a “mão esquerda”. O personagem recebe bônus de +3 em APA, +2 em I.A. e +2 em ESQ. Caso utilize a arma com a “mão direita”, receberá +2 em APA, +3 em I.A. e +2 em ESQ. Nesse estado o personagem pode tentar uma Esquiva com redutor de -2 após ter falhado em uma manobra de Aparar.

  • Contra-ataque da Presa do Leão

Pré-requisito: Contra-ataque Aprimorado, Estado: Leão de Harr. Descrição: o Contra-ataque da Presa do Leão é igual à manobra de Contra-ataque, mas o dano letal causado é aumentado em +2 e o dano é dado como localizado, ignorando proteções por armadura.

  • Desarme da Garra do Leão

Pré-requisito: Desarme Aprimorado, Estado: Leão de Harr. Descrição: o Desarme da Garra do Leão é igual à manobra de Desarme Aprimorado, mas sem redutores na manobra de Aparar e se a diferença entre a manobra de Aparar e o Ataque for maior que 2 pontos, a arma ficará sobre domínio do personagem que utilizou a manobra de desarme.

  • Ataque Extra da Fúria do Leão

Pré-requisito: Ataque Extra, Estado: Leão de Harr. Descrição: o Ataque Extra da Fúria do Leão é igual à manobra Ataque Extra, mas impondo redutores de -1 ao invés de -2 nos próximos ataques extras.

  • Acerto Crítico de Harr

Pré-requisito: Estado: Leão de Harr. Descrição: um acerto crítico causa duas vezes o dano letal. Crítico Aprimorado +2. Exemplo: uma espada com dano letal +3 em caso de acerto crítico contra uma manobra defensiva com diferença de 2pts causaria um dano letal de +4, ou seja, duas vezes o dano letal que seria causado.

  • Deus das Espadas

Pré-requisito: Estado: Leão de Harr, Maestria (espada de uma mão). Descrição: o personagem é capaz de utilizar qualquer espada ou semelhante como se fosse a sua arma predileta.

  • Velocidade Sobrenatural II

Pré-requisito: Velocidade Sobrenatural. Descrição: O personagem é muito veloz em suas ações, o que o torna difícil de ser atingido e também torna seus ataques difíceis de serem defendidos. Recebe aumento de +2 no I.A. e +2 em ESQ.

  • Velocidade Sobrenatural III

Pré-requisito: Velocidade Sobrenatural II. Descrição: O personagem é muito veloz em suas ações, o que o torna difícil de ser atingido e também torna seus ataques difíceis de serem defendidos. Recebe aumento de +3 no I.A. e +3 em ESQ. Não é possível reagir a um ataque com esse nível de velocidade a menos que o personagem utilize alguma manobra que aumente também a sua velocidade, através de reações críticas ou perfeitas. OBS: um personagem com Velocidade Sobrenatural III (chamado de A) ataca um personagem com Velocidade Sobrenatural I (chamado de B), B conseguirá reagir como se A tivesse apenas Velocidade Sobrenatural II.


Histórico

Durante a I Guerra Dracônica (1021 a 1042 da 1a Era Humana) a família Leão de Harr era a que reinava no reino de Helten (atual Feudo Leão de Halt). Halteron Leão de Halt era o rei, amado e temido. Era o herói do povo e temido pelos outros reinos humanos. Halteron criou uma técnica singular com o uso de um sabre (alguns dizem que o próprio deus da guerra o ensinou) que o tornava virtualmente invencível em um duelo. Com a tensão entre os reinos, a técnica foi ensinada aos seus familiares e repassada aos guerreiros de seu reino em uma variante com espadas de uma mão. Quando os reinos humanos se uniram para criar o império de Novarant que mais tarde se consagrou no Reino de Ostaria, a técnica não foi repassada aos outros reinos oficialmente, mas é sabido de alguns indivíduos que as repassaram, mesmo que na forma básica utilizada pelo antigo exército de Helten. O reino de Helten foi crucial para Novarant na I Guerra Dracônica, mas a família Leão de Harr teve muitas baixas. No final da 1a Era Humana, Tunrius, um sobrinho de Halteron, ficou responsável pela família Leão de Harr no conselho do recém fundado Reino de Ostaria.

Tunrius casou-se três vezes: Sua primeira mulher (Marla) fora assassinada por trolls em uma viagem ao feudo de Sier. Sua segunda mulher (Danne), uma nobre do feudo de Illus, morreu afogada no lago das ninfas (atual: Lago da Leoa "Afogada"). Sua terceira mulher (Salebha), uma híbrida meio elfa, fora a única a lhe dar um filho (Hulgul). Tunrius nunca teve a aprovação dos nobres e do povo do feudo para casar-se com uma híbrida que chegou ao feudo e ao castelo como pedinte. Tunrius e Salebha nunca se casaram perante a igreja de Sollanur ou Selune, mas dizem que fizeram uma pequena cerimônia nos Bosques da Aurora Dourada e foram abençoados pelos druidas e criaturas da floresta. Hulgul não resistiu ao segundo ano de vida e falecera no outono. No inverno daquele mesmo ano, Salebha contraiu uma misteriosa doença mágica, Tunrius buscou uma cura com clérigos, druidas e xamãs, pagou por tesouros de dragões, contratou aventureiros para encontrarem algum artefato que pudesse salvar sua amada, mas tudo foi em vão. Salebha faleceu na passagem do ano. Tunrius enterrou Salebha nos Bosques da Aurora Dourada e retornou com uma criança em seus braços. Desde então, ele tornou-se distante e ainda mais rígido. Raras as vezes que deixava o castelo e seus empregados aos poucos foram sendo enviados embora. Tunrius criou a criança bastarda e deu a ela o nome de Hulgul, mas não fora suficiente, ele nunca conseguiu esconder a mágoa. Tunrius sumiu desde o aparecimento de Aldaria e Hulgul, mesmo que não sendo seu filho legítimo, herdou o feudo Leão de Harr e o espaço no conselho do Reino de Ostaria. Hulgul é o último "Leão de Harr". Supõe-se que ele seja o último detentor da técnica original criada por Halteron, mas talvez nem mesmo o próprio Hulgul saiba se Tunrius lhe ensinou tudo.